domingo, 26 de dezembro de 2010

Galáxia Escondida IC 342

(Crédito de imagem e direitos autorais: Ed Henry (Observatório Angra Hay))

Similar em tamanho à outras grandes e brilhantes galáxias espirais, IC 342 é de apenas 7 milhões de anos-luz distante do “longo pescoço”, Camelopardalis, constelação do norte. Um universo em expansão de ilha, IC 342 seria uma galáxia de destaque em nosso céu noturno, mas é quase oculta por trás do véu de estrelas, gás e nuvens de poeira no plano da nossa galáxia Via Láctea. A luz da IC 342 é atenuada por nuvens cósmicas. Esta notória imagem telescópica mostra vestígios de poeira da própria galáxia obscurecendo-a, com aglomerados de estrelas azuis, rosa e brilhando em regiões distintas, formando ao longo dos braços espirais, que são os ventos do núcleo da galáxia. IC 342 pode ter sofrido um surto recente de atividade de formação de estrelas e está perto o suficiente para ter gravitacionalmente influenciado a evolução do grupo local de galáxias e a Via Láctea.

M82: Galáxia com um Vento Supergalático.

(Crédito: NASA, ESA, a equipe do Hubble (STScI / AURA)
Aviso: Montanha M. (STScI), P. Puxley (NSF), J. Gallagher (U. Wisconsin))

O que está iluminando a galáxia charuto? M82, como esta galáxia irregular também é conhecida, foi suscitada por uma passagem recente próxima à grande espiral da galáxia M81. No entanto, isso não explica completamente a origem do gás vermelho-brilhante externamente em expansão. Evidências recentes indicam que esse gás está sendo conduzido por ventos de partículas emergentes de muitas estrelas, que combinados, criam um super vento galáctico. O mosaico fotográfico acima destaca uma cor específica de luz vermelha , fortemente emitida pelo gás hidrogênio ionizado, mostrando filamentos detalhados deste gás. Os filamentos se estendem por mais de 10.000 anos-luz. Está a 12 milhões de anos-luz distante da galáxia Charuto, a mais brilhante no céu em luz infravermelha, e pode ser vista em luz visível com um pequeno telescópio na direção da constelação da Ursa Maior (Ursa Maior).

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Uma Ocultação de Crepúsculo


(Crédito de imagem e direitos autorais: Zubenel Doug (TWAN))

Um fino, um dia de idade Lua Crescente abraçou o horizonte oeste após o pôr do sol na segunda-feira, 6 dez. A Lua também foi ocultada ou passou na frente de Marte. Mas apenas alguns skygazers bem colocados ao longo de uma faixa com a América do Norte foram capazes de travar este ato final de ocultação lunar no crepúsculo. Por exemplo, esta imagem telefotográfica capta muito bem Marte como um pontinho de luz, logo depois que saiu de trás da borda iluminada da Lua Crescente. Com um emaranhado de galhos de árvore em silhueta, a visão espacial luminosa é de De Soto, Kansas, os EUA central. Claro, o próximo lunar deste mês com eclipse total vai entreter uma audiência muito mais ampla de entusiastas da lua durante a noite do dia 20/21.

Contemplando o Céu

 
(Crédito e Copyright: Amir Taheri)

Você já contemplou o seu céu noturno recentemente? Pode ser uma boa para os "meditadores da meia-noite" em muitos locais, com a chuva de meteoros Geminida passando com frequência através do espaço. Os meteoros Geminida têm construido lentamente um crescendo, e deve atingir seu máximo nessa semana. Na foto acima, há 11 dias, um grupo de "turistas celestiais" no deserto Maranjab, no Irã, foi brindado com um maravilhoso céu azul escuro de madrugada, que continha o planeta Vênus e uma Lua crescente. Ontem à noite Marte e Mercúrio foram visíveis logo acima do horizonte sudoeste ao entardecer, e no primeiro trimestre do ano que vem, a lua irá definir-se em torno da meia-noite.

Lançamento do Delta IV Heavy


(Crédito e Direitos Autorais: Ben Cooper (Fotógrafo))

Esse é o foguete mais alto em uso ativo. O Delta IV Heavy é o maior da série Delta, embalando o soco de três propulsores de foguetes ao invés do usual. O foguete resultante, o mais poderoso em uso pela Força Aérea dos EUA, é capaz de levantar mais de 23.000 kg em órbita baixa da Terra, comparado à Space Shuttle da NASA. A foto acima mostra o segundo lançamento do Delta IV Heavy a partir de Cabo Canaveral, Florida, EUA, em 2007, e o lançamento da primeira noite. Torres de serviços complexos são visíveis em cada lado do foguete emergente. Com sucesso, levantou à órbita baixa da Terra um satélite de reconhecimento. O Delta IV Heavy desde então realizou vários bem-sucedidos levante-offs, e o seu próximo lançamento está previsto a partir da Base Aérea de Vandenberg, Califórnia, EUA, no próximo mês.

domingo, 5 de dezembro de 2010

A Nebulosa Helix de CFHT

(Crédito da Imagem e Copyright: J.-C. Cuillandre (Funcionários CFHT), Câmera CCD CFH12K, CFHT)

Um dia o Sol pode se parecer com isso. A  nebulosa Hélix é o exemplo mais próximo de uma nebulosa planetária criada no final de uma estrela semelhante ao Sol. Os gases mais externos expulsos pela estrela no espaço aparecem, do nosso ponto de vista, como se estivéssemos olhando para uma hélice. O núcleo estelar remanescente, destinado a se tornar uma estrela anã branca, brilha em luzes tão enérgicas que fazem com que o gás previamente expulso apareça fluorescente. A nebulosa Helix, dada a designação técnica de NGC 7296, situa-se 450 anos-luz de distância na direção da constelação de Aquário, e se estende por 1,5 anos-luz. A imagem acima foi tirada com o telescópio Canadá-França-Havaí (CFHT), localizado no topo de um vulcão adormecido no Havaí, EUA. Um close-up da borda interna da nebulosa Helix nos mostra gases incomuns de origens ainda desconhecidas.

A Superfície de Titã

(Crédito da imagem: Athena Coustenis (DESPA) et al., PUEO, CFHT)

Se navegar pelos mares de Hidrocarbonetos em Titã, cuidado com as chuvas de gasolina. Isso pode ser um alerta de viagem emitido para um dia futuro, em que aventureiros eventualmente possam visitar a maior lua de Saturno, Titã. Novas imagens da superfície de Titã foram liberadas em 2000, do Telescópio Canadá-França-Havaí, com os menores detalhes que ainda não foram resolvidos. Perscrutando a atmosfera "smog" de espessura, com luz infravermelha, características complexas interpretadas como oceanos, geleiras e rochas tornaram-se visíveis.A imagem de alta resolução infravermelha acima só foi possível usando uma técnica chamada unblurring óptico-adaptativa. A sonda interplanetária Cassini chegou à Saturno e Titã em 2004, para explorar melhor esse mundo fora do comum.

Céu na Terra



(Crédito e Copyright: Richard Payne (Astrofotografia Arizona))

Se às vezes parece que toda a Via Láctea está chovendo em sua cabeça, não se desespere. Isso acontece duas vezes por dia. Como o Sol nasce no Leste, as maravilhas do céu noturno tornam-se menos brilhantes do que a dispersão da luz solar pela atmosfera da nossa Terra, e assim desaparecem de vista. Elas só vão girar para trás expostas quando a Terra novamente esconder nosso Sol brilhante ao anoitecer. Esta batalha entre o céu e a Terra foi capturada dramaticamente e digitalmente melhorada em dupla exposição sobre as Montanhas Kofa, no Arizona, EUA, em maio de 2003. Poeira escura, milhões de estrelas e gases brilhantes e vermelhos destacam o plano da nossa Via Láctea, que fica na média de milhares de anos-luz atrás das montanhas da Terra.

sábado, 4 de dezembro de 2010

Pôr do sol na Espiral Jetty

(Crédito de imagem e direitos autorais: Arne Erisoty)
Num crepúsculo diminuindo gradativamente no final de um dia de agosto, essas partes escuras e largas apareceram no céu por um momento, vistas acima da Espiral Jetty de Robert Smithson, na costa oriental de Grã Utah, no Lago de Sal. Delineadas pelos raios de luz solar conhecidos por raios crepusculares (eles são realmente sombras projetadas por nuvens perto do horizonte oeste, com o sol poente tendo desaparecido da visão direta por trás deles), as sombras de nuvens são paralelas, mas parecem convergir à distância por causa da perspectiva.  Enrolada na superfície do lago de sal incrustado, a terraplanagem mais famosa (a Smithson) oferece um contraste dramático com as linhas convergentes. A Espiral Jetty foi construida em 1970, quando o nível da água estava anormalmente baixo e depois ficou completamente submersa em poucos anos. Agora está novamente emersa, ainda que por boa parte de sua existencia tenha ficado escondido abaixo do Lago de Sal.

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

M33: A Galáxia do Triângulo

 (Crédito da Imagem e Copyright: Manfred Konrad)
 
Bem pequeno, o norte da constelação Triangulum abriga esta magnífica galáxia espiral, devidamente catalogada por M33. Seus nomes populares incluem a galáxia Pinwheel ou apenas a Galáxia do Triângulo. A M33 tem mais de 50.000 anos-luz de diâmetro, é a terceira maior do Grupo Local de galáxias após a Galáxia de Andrômeda (M31), e a nossa própria Via Láctea. Cerca de 3 milhões de anos-luz da Via Láctea, a M33 é por si só pensada como um satélite da galáxia de Andrômeda, e astrônomos nessas duas galáxias, provavelmente teriam uma vista espectacular sobre cada um dos outros sistemas estelares de grande espiral. Quanto à visão do planeta Terra, essa imagem nítida e detalhada mostra muito bem a M33, além dos aglomerados de estrelas azuis e a estrela rosada, formando regiões que seguem os braços espirais da galáxia vagamente ferida. Na verdade, a NGC 604 é a estrela cavernosa mais brilhante numa região de formação, vista aqui mais ou menos na posição das 4 horas do centro da galáxia. Como a M31, as populações de estrelas da M33, com suas variáveis bem medidas, ajudaram a tornar esta espiral uma régua cósmica para o estabelecimento da escala de distâncias do Universo.

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Calisto em Contraste

(Crédito: Projeto Galileu, JPL, NASA) 

Callisto possui metade de seu terreno rochoso e metade congelado. Esta lua de Júpiter é aproximadamente do tamanho do planeta Mercúrio, tornando-se a terceira maior lua do Sistema Solar, depois de Ganimedes e Titã. A superfície gelada de Calisto tem bilhões de anos, não tem qualquer sinal de atividade vulcânica, e é densamente coberta de fendas e crateras. Essas características são particularmente visíveis nesta imagem com contraste obtida pela sonda Galileu, e divulgada em 12 de maio de 1998. Visível, perto do centro da imagem é Valhalla, uma das maiores crateras de impacto do Sistema Solar, com cerca de 4.000 km de diâmetro. Os anéis e tamanho de Valhalla tornam sua aparência semelhante ao impacto Caloris, na Bacia de Mercúrio.

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Vulcão Sakurajima com Relâmpagos


(Crédito e Copyright: Martin Rietze (Paisagens alienígenas no planeta Terra))


Por que uma erupção vulcânica, por vezes, pode criar um raio? Na foto acima, o vulcão Sakurajima no sul do Japão foi pego em erupção no início do mês de Fevereiro. Bolhas de magma tão quentes que até brilham, atiram para fora do vulcão como explosões de pedras líquidas através da superfície da Terra. A imagem acima é particularmente notável, no entanto, para os relâmpagos, capturados próximos à cúpula do vulcão. Por que raios ocorrem mesmo nas tempestades comuns continua a ser um tópico de pesquisa, e a causa do relâmpago vulcânico é ainda menos clara. Certamente, relâmpagos ajudam à saciar as zonas de frente, separando cargas elétricas. Uma hipótese sustenta que as bolhas de magma catapultando ou cinzas vulcânicas são, elas próprias, carregadas eletricamente e por seu movimento criam essas áreas separadas. Outros episódios de relâmpagos vulcânicos podem ser facilitados pela taxa de indução de colisões na poeira vulcânica. O relâmpago está geralmente ocorrendo em algum lugar da Terra, normalmente mais de 40 vezes a cada segundo.

terça-feira, 30 de novembro de 2010

A nuvem de Supercélula Através de Montana

(Crédito e Copyright: Heavey Sean R.)
 
Será aquilo uma nave espacial ou uma nuvem? Embora possa parecer uma nave-mãe alienígena, na verdade é uma nuvem de trovoada impressionante chamada supercélula. Essa tempestade colossal ocorre no centro de sistemas em mesociclones – ventos rotativos que podem abranger vários quilômetros e entregar chuvas torrenciais, incluindo tornados. Rastros de nuvens esculpidas enfeitam a borda da supercélula, enquanto o vento varre a poeira e a chuva domina o centro. Uma árvore espera pacientemente em primeiro plano.da supercélula acima foi fotografada em julho a oeste de Glasgow, Montana, EUA, não causou mu danos, e durou várias horas antes de prosseguir.

domingo, 28 de novembro de 2010

Raios em Atenas

 
(Crédito & Copyright: Kotsiopoulos Chris)

Você já assistiu a uma tempestade de raios em reverência? Junte-se à multidão. Estranhamente, ninguém sabe exatamente como o relâmpago é produzido. O que se sabe é que as taxas se separaram lentamente em algumas nuvens, causando rápidas descargas elétricas (relâmpagos) mas como cargas elétricas se separam em nuvens continua a ser um tema de muita pesquisa. Raios normalmente levam um curso irregular, aquecendo rapidamente uma coluna fina do ar à cerca de três vezes a temperatura da superfície do sol. A onda de choque resultante começa supersonicamente e decai para o som alto conhecido como trovão. Relâmpagos são comuns nas nuvens durante tempestades, e em média 6.000 relâmpagos ocorrem entre nuvens e a Terra a cada minuto. Na foto acima, uma tempestade com raios ativa foi gravado em Atenas, na Grécia em Julho desse ano.

Espirais logarítmicas Isabel e M51

(Crédito: Comparação e M51 imagem de autor Brian Lula, o furacão Isabel, cortesia GHCC, NASA)

Desconfortavelmente perto do furacão Isabel (esquerda) e 30 milhões de anos-luz de galáxias distantes, a M51 (direita), realmente eles não têm muito em comum. Para começar, Isabel estava a centenas de quilômetros, enquanto a M51 (a Galáxia Whirlpool), abrange cerca de 50.000 anos-luz, tornando-os muito diferente em escala - para não mencionar as interações físicas que controlam a sua formação e evolução. Mas eles são incrivelmente parecidos, exibindo a forma de uma curva simples e bela da matemática conhecida como uma ESPIRAL LOGARÍTMICA, uma espiral cuja separação cresce de forma geométrica com o aumento da distância do seu centro. Também conhecida como a ESPIRAL EQUIÂNGULO, ESPIRAL DE CRESCIMENTO e ESPIRAL DE BERNOULLI ou SPIRA MIRABILIS, as propriedades desta rica curva têm fascinado os matemáticos desde sua descoberta por Descartes, filósofo do século 17. Curiosamente, esta forma abstrata é muito mais abundante na natureza do que o sugerido pela impressionante comparação visual acima. Espirais logarítmicas também descrevem, por exemplo, o arranjo de sementes de girassol, as formas de conchas de nautilus, e... Couve-flor.

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Cometa Lulin e galáxias distantes


(Crédito & Copyright: Johannes Schedler (Observatório Panther))

Agora desaparecendo em nosso céu, o Cometa Lulin forneceu algumas visitas cósmicas encantadoras. Movendo-se rapidamente contra o fundo de estrelas, Lulin brevemente posou com os gostos de Saturno e Regulus (Alpha Leo). Mas aqui ele é visto contra um campo de galáxias distantes. Para revelar as galáxias de fundo fraco e rastrear a cauda quase desaparecida do cometa, a imagem marcante é uma composição mista de exposições telescópicas alinhadas tanto com as estrelas, quanto com a rapidez do cometa.  As maiores galáxias vistas à esquerda da cabeça do cometa (ou coma) são catalogados como NGC 3016, NGC 3019, NGC 3020 e NGC 3024 e estão a uma distância de 100 milhões de anos-luz ou algo assim. Quando as exposições foram feitas, em 28 de fevereiro de 2009, o cometa estava cerca de 3,6 minutos-luz da Terra.

Nuvens Coloridas de Carina

 (Crédito da imagem: Hubble Heritage Team (AURA / STScI), a NASA)  

Nuvens turbulentas da Nebulosa de Carina, 8000 anos-luz, brilham no céu do sul planeta Terra. Impressionante e detalhado, este close-up de uma porção da famosa nebulosa é uma combinação de posições através de seis filtros diferentes tomadas com o Telescópio Espacial Hubble, a Field Planetary Camera 2 de Abril de 1999. A poeira escura e complexa revelada em Carina é esculpida pelos ventos e radiação de estrelas massivas e energéticas. Mas como eram as cores da imagem gerada? Imagens astronômicas produzidas a partir de dados do Telescópio Espacial Hubble podem ser compostas por exposições feitas usando filtros relativamente estreitos, que não correspondem às respostas da cor do olho humano. Alguns dos filtros até mesmo transmitem comprimentos de onda de luz fora do espectro visível. Exposições feitas com diferentes filtros estreitos, como no presente caso, são traduzidos para uma cor visível onde comprimentos de onda mais curtos são atribuídas em comprimentos de onda mais azuis e mais atribuídas cores avermelhadas. Este esquema de cores representa uma "cromaticamente ordenada" forma de apresentar os dados ao invés de uma imagem de cor natural.

domingo, 21 de novembro de 2010

Uma Estrela Massiva em NGC 6357

(Crédito da imagem: NASA ESA, e Apellaniz JM (IAA, Spain))

Por razões desconhecidas, a NGC 6357 está se tornando uma das nebulosas estelares, possuindo a estrela de maior massa já descoberta. Uma dessas estrelas massivas, perto do centro da NGC 6357, está enquadrada acima esculpindo o seu próprio castelo interestelar com sua luz energética ao redor de gás e poeira. Na maior parte da nebulosa, os intrincados padrões são causados por interações complexas entre ventos interestelares, as pressões de radiação, campos magnéticos e de gravidade. O brilho geral da nebulosa é resultado da emissão de luz a partir do gás hidrogênio ionizado. Próxima a nebulosa olho de gato, a NGC6357 abriga o aglomerado estelar aberto Pismis 24, o lar de muitas dessas estrelas extremamente brilhantes e azuis. A parte central da NGC 6357 fica a cerca de 10 anos-luz da Terra e cerca de 8000 anos-luz de distância na direção da constelação de Escorpião.

sábado, 20 de novembro de 2010

Raios Crepusculares Além do Lago Michigan

(Crédito & Copyright: Voigts Kurt)

Esses raios foram capturados de forma espetacular no início do mês de Agosto na cidade de Pentwater, Michigan, EUA, à oeste sobre o Lago Michigan. A causa é algo surpreendentemente familiar: sombras. As nuvens perto do horizonte podem bloquear a luz solar que se reflete fora do ar, fazendo com que as colunas que saem do Sol pareçam estranhamente escuras. Sombras de nuvens podem ser pensadas como um complemento dos raios mais comumente destacados nos crepúsculos, também vistos acima, onde a luz solar se derrama além dos buracos de nuvem. Às vezes, no lado oposto do céu, raios anticrepusculares também podem ser vistos.

Uma Nuvem Iridescente Sobre a França

(Crédito e Copyright: Michael Koch)

Por que essa nuvem parece ser de cores diferentes? Um fenômeno relativamente raro conhecido como nuvens iridescentes pode mostrar cores vividamente incomuns ou todo um espectro de cores simultaneamente. Estas nuvens são formadas por pequenas gotas de água de tamanho quase uniforme. Quando o Sol está na posição certa e na maior parte escondida por nuvens espessas, as nuvens mais finas sofrem significativamente difração da luz solar de uma maneira quase coerente, com cores diferentes sendo desviadas por quantidades diferentes. Portanto, as cores distintas virão para o observador de direções diferentes. Muitas nuvens começam com regiões uniformes que podem mostrar iridescência, mas rapidamente se tornam muito grossas, misturadas, ou longe demais do Sol para exibir cores marcantes. Na foto acima, uma nuvem iridescente foi fotografada perto de Cannes, na França.

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Folha congelada de Orion

(Crédito & Copyright: Masahiro Miyasaka)

Algumas vezes, você pode colocar um pouco do céu noturno em sua arte. Capturado no Japão há pouco tempo nesse mês, um céu pitoresco foi fotografado atrás de uma folha congelada. A reflexão no gelo cristalizado na folha assemelha-se às estrelas brilhantes no background da foto. O esse plano de fundo, particular, foi tirado num grande ângulo de exposição, no entanto, parece ser bem familiar e interessante. Bem distante, na esquerda, embora difícil de encontrar, aparece um meteoro riscando o céu.  Abaixo e à direita do meteoro, aparece uma longa e brilhante fumaça de um avião. A estrela brilhante na esquerda é a estrela-cão Sirius, a mais brilhante estrela no céu noturno. À direita de Sirius aparece a constelação de Orion, incluindo as três estrelas que formam seu cinto, abaixo da estrela gigante vermelha Betelgeuse. Mais à direita encontra-se a nebulosa estelar Plêiades.

terça-feira, 2 de novembro de 2010

O Sol Magnético: Coroa solar

(Crédito da imagem: K. Reardon (Osservatorio Astrofisico di Arcetri, INAF) IBIS, DST, NSO)

Imagine um tubo tão largo como um Estado, e tão longo quanto a Terra. Agora, imagine que esse tubo é preenchido com gás quente que se desloca a 50 mil quilômetros por hora. Além disso, imagine que esse tubo não é feito de metal, mas de um campo magnético transparente. Você está visualizando apenas uma das milhares de espículas jovens sobre o Sol ativo.  

Uma das importantes propriedades de campos magnéticos, é que eles armazenam e contêm gases quentes. Eles são, em efeito, “garrafas magnéticas”. Na Terra, experimentos de laboratório para produzir energia a partir da fusão controlada dependem dessa propriedade de campos magnéticos, para conter os gases super quentes.  Campos Magnéticos podem ser pensados como linhas que conectam as polaridades norte e sul. Na Terra, essas linhas correm de norte a sul e são uniformes e organizadas. É por isso que podemos navegar tão bem com uma bússola magnética. 

No Sol, os campos magnéticos se conectam com polaridades opostas da mesma forma que na Terra.  No entanto, enquanto a Terra tem apenas um norte e um pólo sul, no Sol observamos bits de polaridade norte e sul, espalhados por toda a superfície. Além do mais, a sua posição e as suas forças estão mudando constantemente.  São os campos magnéticos que ligam estes pólos como uma malha para a "coroa solar", num confuso conjunto de formas e tamanhos. Eles são visíveis nos raios-X por causa dos gases quentes aprisionados. A foto acima é uma das imagens de maior resolução já feita de um enigmático tubo de fluxo solar (espícula).

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

NGC 7662: A Nebulosa Bola de Neve

 (Crédito da Imagem: B. Balick (U. Washington) et al., WFPC2, HST, NASA)


Será que o sol, algum dia, irá se parecer com uma bola de neve azul? Talvez! – A Bola de Neve Azul é uma nebulosa planetária (objeto astronômico que é constituído por um invólucro brilhante de gases e plasma, formado por certos tipos de estrelas no período final do seu ciclo de vida. Não estão de todo relacionadas com planetas; o seu nome é originário de uma suposta semelhança de aparência com planetas gigantes gasosos.) – e em 5 bilhões de anos, o Sol vai jogar fora suas camadas exteriores e passar por uma fase de nebulosa planetária.

Uma estrela pode parecer “normal” apenas enquanto não existem reações nucleares suficientes em seu interior. Logo depois, a gravidade irá vencer e comprimirá o núcleo estelar para elevadas temperaturas. Eventualmente, o núcleo se tornará uma estrela anã branca. Essas temperaturas mais altas, de alguma forma, podem causar a explosão das camadas externas da estrela, criando uma nebulosa planetária, como a Bola de Neve Azul acima.

Embora a Bola de Neve azul, devidamente catalogada como NGC 7662, apareça em azul, as cores da imagem acima não são reais e foram escolhidas para destacar a emissão de certos íons na nebulosa. Muitas coisas ainda são desconhecidas, como algumas cores presentes nessa nebulosa e detalhes físicos sobre sua formação.

domingo, 31 de outubro de 2010

A Nebulosa "Cabeça de Bruxa"

  (Crédito & Copyright: Star Shadows Remote Observatory - Steve Mazlin, Jack Harvey, Rick Gilbert, Teri Smoot, Daniel Verschatse) 

Sob a luz das estrelas, brilha um semblante misterioso no escuro, um perfil curvado. É a Nebulosa “Cabeça de bruxa”. Na verdade, essa fascinante imagem  telescópica dá a impressão de que a bruxa tem os olhos fixos no brilho da supernova Rigel, na constelação de Orion. Abrangendo mais de 50 anos-luz, a nuvem de poeira cósmica reflete a luz azul nas proximidades de Rigel, dando-lhe a cor característica de uma nebulosa de reflexão. Além do mais, os grãos de poeira refletem a luz nas freqüências do azul, mais eficiente que no espectro vermelho. Trata-se do mesmo processo físico que causa a cor azul no céu da Terra, embora os compostos responsáveis pelo espalhamento na atmosfera terrestre sejam as moléculas de oxigênio e nitrogênio. Catalogada como IC 2118, a Nebulosa “Cabeça de bruxa” está a cerca de 1000 anos-luz da Terra. Claro, você pode ver uma bruxa assustadora essa noite, mas não entre em pânico. Tenha um Halloween seguro e feliz!

sábado, 30 de outubro de 2010

NGC 7023: A Nebulosa Íris

 (Crédito da Imagem & Copyright: Alvin Jeng (LightBuckets.com))


Também conhecida por Nebulosa de Iris pelos astrônomos, e devidamente catalogada como NGC 7023, essa nebulosa foi descoberta em 1794, pelo astrônomo William Herschel. A fotografia panorâmica acima foi obtida por Alvin Jeng (LightBuckets.com), e a imagem abaixo, pelo telescópio Hubble, na região noroeste da grande nebulosa de Iris. Essa nebulosa ajudou os astrônomos a decifrar quais são os ingredientes necessários para a formação de uma estrela. A NGC 7023 é composta de pequenas partículas de um material sólido, com tamanhos entre 10 e 100x menores que um grão de areia, que refletem a luz das estrelas (Daí a predominância da coloração azul, apesar de possuir inúmeras outras). Dentro da Íris, estão incluídas espessas nuvens de poeira e gás molecular frio, além de partículas complexas de carbono, conhecidas como HAP.

(Crédito da Imagem: NASA, Hubble Space Telescope) 

Confira o vídeo abaixo, com um zoom na NGC 7023.



Nebulosa Fantasmagórica na Constelação de Cepheus

(Crédito da imagem & Copyright: Stephen Leshin, Kitt Peak National Observatory, NASA)


Formas estranhas parecem assombrar essa extensão estrelada, vagando pela noite na verdadeira constelação Cepheus. Naturalmente, as formas são nuvens de poeira cósmica, fracas e visíveis na luz mal refletida das estrelas, nos arredores da nebulosa de Iris. Essa imagem foi obtida com o campo de visão à escala da Câmera Mosaico, do telescópio Mayall de 4 metros, no Observatório Nacional Kitt Peak em 28 de agosto de 2009. A "nebulosa fantasmagórica", ou van den Berg (vdB) 141 foi descoberta por Sidney van den Berg em 1966. É uma nebulosa de reflexão, iluminada por uma estrela recém-formada do tipo Fu Orionis que é bastante rara e apresenta incomuns iluminações e comportamentos de escurecimento (o que lhe dá uma cor marrom mórbida). Essa estrela recém-formada, a BD 67 1300, está em colapso binário, acompanhada de outras estrelas menores nos estágios primarios de formação.

Buracos Negros Supermassivos

Os buracos negros supermassivos, ao contrário dos buracos negros comuns, possuem massa de milhões até bilhões de vezes a massa do Sol, e são buracos negros em forte atividade, aumentando ainda mais suas dimensões. Eles são encontrados principalmente no centro de galáxias.

Como surgiram os buracos negros supermassivos?

Existem diversos modelos propostos que explicam a origem dos buracos negros supermassivos. A mais comum afirma que eles atingiram seu tamanho atual graças ao lento acúmulo de matéria, desde que eram buracos negros estelares. Outra hipótese afirma que ele pode ter sido originado entre um colapso de uma grande nuvem de gás com uma estrela com massa igual a milhares de vezes a do sol. Nesse processo há a formação do buraco negro sem uma explosão supernova, que poderia diminuir sua massa drásticamente. Ainda há hipóteses que afirmam que eles podem ter sido originados após o colapso de conjunto de milhões de estrelas sobre sua própria gravidade nos primórdios do universo.

É muito dificil formar buracos negros supermassivos, já que a tendência da massa é se acumular no mínimo de volume possível. Tanto que é notável no espaço apenas a presença de buracos negros com dimensões normais (dezenas de massas solares) ou buracos negros muito maiores (centenas de milhares de massas solares), provavelmente não havendo algum com massas intermediárias entre essas duas.

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Buracos Negros no Espaço

No espaço, há muitos fenômenos e objetos astronômicos incríveis e impressionantes, que acabam atraindo não só a curiosidade dos astrônomos mas como das pessoas comuns. Dentre estes, um dos que mais despertam a curiosidade dos astrofísicos certamente são os buracos negros. Eles foram descobertos graças a observação de astrofísicos que notavam corpos sendo lentamente sugados e orbitando certos pontos nos quais, aparentemente, não havia nada.



Mas o que é um buraco negro?

Os buracos negros comuns, também chamados de buracos negros estelares, são objetos que possuem um campo gravitacional tão intenso, que a velocidade de escape (velocidade necessária para que um corpo possa se movimentar contra a gravidade) se torna praticamente igual a velocidade da luz, ou seja, aproximadamente 300 mil km/s! Nem mesmo a luz escapa do seu interior, por isso são denominados negros, pois não emitem luz (que acaba sendo sugada pelo buraco negro), se tornando invisíveis aos nossos olhos. Há desde buracos negros microscópicos, até mesmo alguns com anos luz de diâmetro, que atraem tudo para o seu centro gravitacional, com densidade tendendo ao infinito. A atração gravitacional dos buracos negros é tão extrema, que eles acabam retardando o tempo significativamente nas proximidades.

Qual é a origem desses buracos negros?

Há diversas teorias sobre a formação dos buracos negros. Dentre elas, pode se afirmar que eles são formados em decorrência do colapso gravitacional de uma estrela super gigante (possuem dezenas de massas solares, e milhares de vezes o brilho do sol) ou uma supernova. Com uma massa tão absurda, há um esgotamento do combustível que mantém as reações de fusão que ocorrem no interior da estrela, e elas acabam entrando em colapso, formando um objeto com peso gravitacional extremo e capaz de distorcer o espaço-tempo. Nada consegue escapar, nem mesmo a luz.

Os buracos negros ainda reservam muitos mistérios, embora muitos físicos estão estudando cada vez mais sobre eles, principalmente em aceleradores de partículas, como o LHC, no qual podem ser simuladas alguns dos fenômenos mais desconhecidos aos homens sobre o espaço.

Oberon e Umbriel: Um Mundo de Impactos e O Misterioso Mundo Escuro

(Crédito da Foto: NASA, Voyager 2, Copyright Calvin J. Hamilton)


Porque é que Umbriel tão escura? Essa lua reflete apenas a metade da luz das luas de Urano, como Ariel. E o que é o anel brilhante no topo? Infelizmente, ninguém sabe ainda. Essas questões surgiram quando a Voyager 2 passou por esse satélite de Urano, em janeiro de 1986. A Voyager descobriu uma superfície antiga, com enormes crateras, e determinou a composição de Umbriel em cerca de metade gelo, metade pedra. Umbriel é o quarto maior e mais distante satélite de Urano, e o terceiro das cinco grandes luas de Urano. Umbriel foi descoberta em 1851 por William Lassell.


  
 (Crédito da foto: NASA, Voyager 2; Copyright Calvin J. Hamilton) 

Já Oberon é a lua mais distante e a segunda maior de Urano. Descoberta por William Herschel em 1787, as propriedades de seu mundo permaneceram relativamente desconhecidas até a nave robô Voyager 2 passar durante o seu voo a Urano, em Janeiro de 1986. Em comparação com as outras luas, como Ariel, Titania, e Miranda, Oberon é cheia de crateras, e desta forma se assemelha a Umbriel. Como todas as grandes luas de Urano, Oberon é composta por cerca de metade gelo e  metade rocha. Note que Oberon tem pelo menos uma grande montanha, visível  na parte inferior esquerda, que sobe 6 km da superfície.

Cometa Hyakutake e um Cacto

(Crédito da Imagem: Rick Scott and Joe Orman, near Florence Junction, Arizona, Courtesy Night of the Comet)

O Cometa Hyakutake foi fotografado na noite de 27 de março, no Arizona, EUA, com um cacto no primeiro plano. Polaris, a estrela do norte, é a estrela brilhante vista apenas a parte superior direita da cabeça do cometa. Atualmente, o Hyakutake atingiu sua maior aproximação ao Sol e está agora bem brilhoso, mas devido à sua distância da Terra, ele aparecerá menos brilhante para nós, diferente do que foi durante sua aproximação máxima com a Terra no final de março do ano de 1996. Na verdade, devido à proximidade angular do cometa ao Sol, ele dificilmente será visto em todos os cantos da Terra, e vai chegar a menos de um quarto da distância Terra - Sol - dentro da órbita de Mercúrio. O cometa Hyakutake não se aventurará por perto do Sol novamente por mais cerca de 15.000 anos.

Uma Galáxia e Um Quasar

(Crédito da imagem: R. Knacke (Penn State Erie) et al., Hubble Heritage Team, NASA)

É uma galáxia no centro da imagem ligada a um quasar no canto superior direito? Desacordos sobre sistemas como esse têm durado décadas e têm sido utilizados para impugnar os fundamentos da cosmologia moderna. Alguns acreditam que o quasar Markarian 205 foi recentemente expulso da galáxia NGC 4319, indicando que o desvio elevado de Markarian 205 não é indicativo de sua distância. A maioria dos astrônomos têm acreditado, no entanto, que os dois não estão fisicamente associados, e que o deslocamento elevado de Markarian 205 de fato indica que ele está em todo o nosso universo. Nesta visão, é como acontece com um galho de árvore, ou ao apontar para a Lua. Sua justaposição à imagem acima é apenas coincidência.

Trilhas de Estrelas, Capitão Fantasma e Dimitrios

(Crédito da imagem e Copyright: Chris Kotsiopoulos (GreekSky)

Olhe atentamente para essa paisagem surreal. Na cena dos sonhos, trilhas de estrelas em forma de arco sobre um antigo navio encalhado correm em uma praia perto de Gytheio, Peloponeso, no sul da Grécia. O que poderia ser o "capitão fantasma" assombrando a praia, olhando tristemente o naufrágio em decomposição, pairando sobre a luz das estrelas refletidas na água parada? (Zoom na imagem, please XD)  Na verdade, a forma efêmera é a do fotógrafo. Em vez de uma única exposição por muito tempo para gravar o movimento dos astros quando a Terra gira sobre seu eixo, a imagem é composta por 90 imagens consecutivas, cada uma exposição de 90 segundos de duração. Digitalmente, são empilhadas as exposições individuais e em seguida, são construidas as trilhas de estrelas. Também se cria uma figura fantasmagórica semi-transparente do fotógrafo, que foi capturado em pé na praia, em apenas uma das exposições.  

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Movimento das Estrelas

(Crédito da Imagem: observatório La Silla, telescópio Trappist)

“Estrelas mudam de lugar”. Essa frase de uma canção de autoria de Roberto e Erasmo Carlos não é apenas uma afirmação de cunho poético, fruto da inspiração e imaginação dos dois, ela possui sim um embasamento científico.

Não estamos tratando dos movimentos aparentes que as estrelas realizam no céu devido aos movimentos de rotação e translação da Terra, que podem ser facilmente observados. Retirando-se esses movimentos aparentes, numa análise superficial, as estrelas parecem estar fixas no céu em relação as outras. Mas uma análise mais cuidadosa nos revela que as estrelas mudam muito lentamente suas posições, sendo que elas possuem, cada uma, seu próprio movimento.

Como foi descoberto por Edwin Hubble, em meados da década de 1920, o universo todo está em expansão e tanto as estrelas, como também os sistemas solares e as galáxias estão em movimento. Deve-se somar também, contribuindo para o movimento das estrelas, as interações gravitacionais dos elementos existentes no universo, como os buracos negros e as estrelas de nêutrons.

O estudo do movimento das estrelas em meio aos seus aglomerados pode oferecer informações sobre como esses aglomerados se formaram e até dados para se analisar possíveis presenças de buracos negros ou outros elementos nas suas proximidades.

O movimento das estrelas foi notado pela primeira vez por Edmund Halley em 1718, ao constatar uma diferença de meio grau na localização das estrelas Arcturus e Aldebaran comparando-as com a medição efetuada por Hiparco, realizada cerca de 1850 anos antes.

Enfim, podemos afirmar, sem medo de estar cometendo um erro, que realmente as estrelas mudam de lugar.


segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Tempestades Solares


(Crédito da Imagem: NASA, SDO)


O Sol é uma enorme bola de plasma. A sua energia é gerada por fusão nuclear no seu núcleo, onde átomos colidem, em altíssimas temperaturas e velocidade, formando um outro átomo e liberando grande quantidade de energia. Na sua superfície ocorrem explosões, conhecidas como erupções solares, causadas por mudanças repentinas em seus campos magnéticos que se embaralham. Quando isso ocorre, altos índices de radiação podem ser liberados para o espaço em forma de radiação eletromagnética (luz) ou em forma de partículas (plasma). A energia eletromagnética liberada pelo Sol viaja pelo espaço em forma de nuvens, transportando toneladas de gás eletrizado. Esses fortes pulsos de radiação que abrangem todo o espectro eletromagnético, fazendo parte as ondas de rádio, os raios X e gama, ao tingirem a Terra, podem causar as chamadas tempestades geomagnéticas que acabam por ionizar regiões da atmosfera e, com isso, provocar fortes ondas de descargas elétricas. Nesse caso, todo equipamento que usa circuitos elétricos, atingido por uma dessas descargas, literalmente queima na hora. As radiações solares comprometem as telecomunicações, causando também interferências e ruídos nos sinais utilizados.

É sabido que o Sol segue uma espécie de ciclo que, em média, dura cerca de 11 anos, onde ele passa por períodos de baixa e alta atividade. Cientistas da Nasa e de outras instituições afirmam que em 2013 o Sol irá entrar em um ciclo e alta atividade, podendo causar um verdadeiro Dia do Juízo Final para os eletroeletrônicos. Os cientistas ainda não sabem precisar exatamente quando a tal tempestade irá ocorrer, nem a sua real intensidade, mas afirmam que temos motivos para nos preocupar. Segundo um relatório assinado por cientistas de 17 universidades, a humanidade levaria até 10 anos para se recuperar de algo dessa magnitude. Para tentar ajudar a prever as tão temidas tempestades solares, a Nasa lançou em 11 de fevereiro seu novo satélite SDO (Solar Dynamics Observatory) que afirmam ter a capacidade de detectar as ondas com um dia de antecedência.

Abaixo o link da Nasa sobre o projeto SDO:
http://sdo.gsfc.nasa.gov/

domingo, 24 de outubro de 2010

Vênus: O Planeta Irmão da Terra

(Credito da Imagem: NASA, Galileo, Copyright Calvin J. Hamilton)

Esta foto em luz visível, foi tirada pela sonda Galileo. Vênus é muito parecido com a Terra em tamanho e massa - e por isso é muitas vezes referido como o planeta irmão da Terra - mas Venus tem um clima bem diferente. As núvens de Vênus são espessas, e é bastante próximo ao Sol (apenas Mercúrio está bem mais perto), e isso torna o planeta mais quente - muito mais que a Terra. Os seres humanos não poderiam sobreviver lá, e não há vida de qualquer tipo, jamais alguma foi encontrada. Quando Vênus está visível, ele é normalmente o objeto mais brilhante no céu depois do Sol e da Lua. Mais de 20 espaçonaves já visitaram Vênus, inclusive a Venera 9, que pousou na superfície, e a Magalhães, que usou um radar para rastrear através das nuvens e fazer um mapa da superfície. Há ainda muitas coisas incomuns sobre a atmosfera de vênus que os astrônomos não são capazes de explicar.

Mercúrio: O Planeta Mais Próximo do Sol

(Crédito da Imagem: NASA, Mariner 10)

Esta foto foi montada a partir de imagens tiradas pela sonda espacial da NASA, a Mariner 10, que voou pelo planeta três vezes em 1974. Mercúrio é o planeta mais próximo do Sol, o segundo planeta mais quente (Vênus é o mais quente), e o segundo menor planeta (Plutão é o menor) do nosso sistema solar.  Ele gira tão devagar, que um "dia" lá -- "dia" referindo-se ao tempo normal que ele leva de sol a sol -- dura 176 dias na Terra. É difícil ver mercúrio não porque é fraco, mas porque ele aparece sempre perto do sol, e por isso é visível apenas durante um curto período logo após o pôr do sol ou pouco antes do amanhecer. Mercúrio é feito de material rochoso como a Terra.

NGC 7782 em Cepheus

(Crédito da Imagem e Copyright: Neil Fleming)

Pilares de gás, poeira e jovens e quentes estrelas parecem preencher toda a NGC 7822. Ao fim da gigante nuvem molecular, em direção ao norte da Constelação Cepheus, a região da estrela brilhante em formação encontra-se cerca de 3000 anos-luz de distância. Dentro da nebulosa, arestas vivas e formas escuras destacam-se nessa colorida imagem. Essa, inclui dados de ambos os filtros de banda larga e banda estreita, a emissão de mapeamento de oxigênio atômico, hidrogênio e enxofre, em tons de azul, verde e vermelho. A emissão atômica é alimentada pela radiação energética de estrelas quentes, cujos poderosos ventos de radiação também esculpem e corroem as formas pilares mais densas. Ainda podem ser formadas estrelas dentro desses pilares pelo colapso gravitacional, mas como esses pilares são erodidos, qualquer estrela formada acabará sendo determinada a partir do seu reservatório de matéria estelar. Este campo abrange cerca de 60 anos-luz à distância estimada de NGC 7822.

sábado, 23 de outubro de 2010

Duas Horas Antes de Netuno

 (Crédito da imagem: Voyager 2, NASA)

Duas horas antes da maior aproximação a Netuno, em 1989, a sonda robô Voyager 2 tirou essa foto. Claramente visível pela primeira vez, as longas nuvens de cor clara tipo cirus, flutuando alto na atmosfera de Netuno. As sombras dessas nuvens podem ser vistas até mesmo na parte inferior da nuvem.  A maior parte da atmosfera de Netuno é composta de Hidrogênio e Hélio, que são invisíveis. A cor azul de Netuno, vem de uma pequena acumulação de metano atmosférico, que preferencialmente absorvem a luz vermelha. Netuno tem os ventos mais rápidos do Sistema Solar, chegando a 2000km/h. Especulações dizem que diamantes podem ser criados em condições quentes e densas, existentes abaixo do topo das nuvens de Urano e Netuno.

(Fonte: Space.com)

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Veio do Sol

(Crédito da imagem: SOHO-EIT Consortium, ESA, NASA)
 
O que é isso que vem saindo da borda do sol? O que pode parecer à primeira vista, ser um monstro do Sol é realmente uma proeminência solar. O destaque acima, capturado pelo satélite SOHO-Sol em órbita no início deste ano, durante uma fase precoce de sua erupção, rapidamente se tornou um dos maiores já registrados. Ainda conforme a figura, a proeminência é enorme -- a Terra caberia facilmente dentro. Uma proeminência solar é uma nuvem fina de gás solar realizada logo acima da superfície pelo campo magnético do Sol. Uma proeminência quiescente normalmente dura cerca de um mês, enquanto uma proeminência eruptiva como a desenvolvida acima pode entrar em erupção dentro de horas, em uma Massa de Ejeção Coronal (CME), expelindo um gás quente pelo Sistema Solar. Embora muito quente, proeminências normalmente aparecem escuras quando vistas contra o Sol, porque elas são um pouco mais frias que a superfície. Como o nosso Sol evolui para máximo solar nos próximos três anos, mais grandes proeminências eruptivas são esperadas.

sábado, 16 de outubro de 2010

A Nebulosa Trífida

(Crédito da imagem: Hopkins Observatory, Karen Gloria)


As cores vívidas azul e violeta, apresentadas na Nébula Trífida, resultam da abundância de estrelas novas ali. A luz de grandes estrelas jovens é muito azul e tem a capacidade de retirar elétrons de gases circundantes. Quando esses elétrons se recombinam com o gás, radiações ricas em luzes azuis e violetas são emitidas. Algumas luzes da nébula também resultam da reflexão de estrelas extremamente pequenas de carbono conhecidas como "poeira". Esse objeto é conhecido pelos astrônomos como M20 - o objeto 20º da lista de Charles Messier de objetos do céu difuso. Essa imagem foi obtida com um telescópio refrator de 6 polegadas.

As Montanhas de Marte

(Crédito da imagem: NASA,Viking Project)

Uma atividade vulcânica em Marte produziu imponentes montanhas. A maior, O Monte Olimpo, foi fotografada  pela Viking Orbiter. O Monte Olimpo é um vulcão de aproximadamente 15km de altitude  e aproximadamente 300km de largura na sua base. Por comparação, o vulcão mais largo da Terra, Mauna Loa, no Havaí, tem apenas 5 quilômetros de altitude e 12 quilômetros de largura.

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Supernova Cygnus: Laço de Onda de choque

(Crédito da imagem: NASA, HST, WFPC2, Jeff Hester)

Há 15.000 anos atrás, uma estrela na constelação de Cygnus explodiu. Essa foto mostra uma parte de uma onda de choque da explosão de uma supernova que continua a aumentar, passando por estrelas próximas. A colisão dessa onda de choque gasosa com uma nuvem de gás estacionária ,tem aquecido esse gás, fazendo-a brilhar em uma variedade de cores espetacular, conhecida como Laço de Cygnus.  Essa foto foi tirada com a Wild Field e Planetary Camera 2, à bordo do Telescópio Espacial Hubble.

A Exploração de Marte

(Crédito da imagem: NASA,Viking Project, USGS)


Quarenta e cinco anos atrás a exploração de Marte pela NASA começou. Em julho de 1965, a sonda Mariner 4 voou cerca de 6.000km de Marte e retornou com 21 imagens do misterioso planeta vermelho. A  contínua exploração de Marte pela NASA produziu visões detalhadas da superfície marciana tingida de vermelho, como a mostrada acima, que é um composto de 102 imagens das missões Vikings à Marte. A composição foi construida pelo US Geological Survey.

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

A Cratera Chain

(Crédito da imagem: NASA, Voyager Team)
A sonda robô da NASA, Voyager 1, tirou essa imagem com um zoom da superfície cheia de crateras da lua de Júpiter, Calllisto, em 1979. Uma misteriosa cadeia de crateras é vista alargando-se diagonalmente na imagem (da esquerda para a direita) O que poderia causar as crateras que se alinham de uma forma tão regular? Cientistas se perderam ao tentar explicar essa cadeia de crateras ao longo de várias outras, características observadas na superfície de Callisto. Quinze anos depois, com a descoberta do cometa Shoemaker-Levy 9, também conhecido como o cometa "colar de pérolas", o mistério foi resolvido. Cometas cujas órbitas andam muito perto de Júpiter são separados devido a sua forte gravidade. Quando as peças individuais, espalhadas ao longo da órbita do cometa atingira um objeto como Callisto, a sequência de impactos produziu essa cadeia de crateras. 

(Fonte: Space.com)

Os Impactos de Cometas em Júpiter

(Crédito da imagem: NASA, Hubble Space Telescope)



Em Julho de 1994, pedaços do cometa Shoemaker-Levy 9, conhecido como "o cometa colar de pérolas", colidiu com o planeta Júpiter. Enquanto o cometa era despedaçado em fragmentos em Júpiter, as explosões resultantes espalharam grandes quantidades de detritos cometários empoeirando a atmosfera de Júpiter. As nuvens de destroços criaram várias manchas escuras visíveis nessa imagem. A rotação de Júpiter faz com que os pontos de impacto sucessivos sejam espalhados ao longo das faixas de nuvens, causando essas manchas que apareceram com o tempo. A mancha vermelha, um famoso local de Júpiter, é visível nessa imagem, na parte inferior e esquerda.

O Cordão de Pérolas

(Crédito da imagem: NASA, Hubble Space Telescope (courtesy of H. Weaver))


O Cometa Shoemaker-Levy 9, nomeado em homenagem a seus co-descobridores, foi muitas vezes referido como "o colar de pérolas". Ele é famoso por sua incomum aparência e também por sua colisão com o planeta Júpiter! O Cometa original foi feito em vários fragmentos depois de entrar em contato com a gravidade de Júpiter em 1992. Os pedaços podem ser vistos nessa composição do telescópio espacial Hubble, parecendo pérolas espalhadas ao longo da órbita to cometa. Em julho de 1994, esses pedaços colidiram com Júpiter numa única e espetacular série de eventos.

(Fonte: Space.com)

Eta Carinae Antes da Explosão

(Crédito da imagem: NASA, HST, WFPC2, J. Hester (ASU))

A Estrela Eta Carinae, no centro da foto, provavelmente vai se destruir em uma explosão espetacular em alguns milhões de anos - ou menos! Atualmente é uma das mais brilhantes e maciças estrelas menos estáveis que conhecemos. Muito do gás na foto do telescópio espacial Hubble, foi atirado para fora pela própria estrela. Algumas dessas nuvens de gás são similares em tamanho ao nosso sistema solar. Astrônomos ainda não podem explicar totalmente os movimentos da nebulosa circundante, e continuam a estudar esse sistema. 

(Fonte: Space.com)

O Lado Noturno de Saturno

(Crédito da imagem: NASA, Jet Propulsion Laboratory,Voyager Project)
Essa imagem de Saturno foi tirada em Novembro de 1980, pela sonda espacial Voyager 1, uma vez que passou perto do planeta dos gigantes anéis de gás.  De um ponto de vista espetacular, olhando para trás em direção ao interior do sistema solar, a nave robô registrou o lado noturno de Saturno lançando uma sombra acentuada em todo o anéis brilhantes. Nenhum telescópio baseado na Terra poderia tirar uma foto semelhante a essa, visto que apenas o lado do dia desse planeta é visível na Terra.

(Fonte: Space.com)